quarta-feira, 3 de março de 2010

Não posso deixar de partilhar convosco um pequeno trabalho de grupo, que fizemos para a nossa Unidade Curricular de Educação Aberta e a Distância, onde podemos tirar algumas conclusões sobre as várias definições que nela encontramos e que através de um texto de José Manuel Moran conseguimos entender melhor.


Síntese da Conclusão do Grupo

No texto em análise o autor define ensino à distância; Refere também os actuais tipos de ensino; Salienta a importância do conceito de educação contínua; Identifica a população alvo preferencial desta aprendizagem e por fim explica a aplicabilidade deste método de ensino alertando para os benefícios e dificuldades do mesmo.
O ensino à distância difere dos restantes devido ao facto de alunos e professores estarem fisicamente separados e utilizarem principalmente a internet como ferramenta de comunicação.
Inicialmente este sistema de ensino utilizou as ferramentas disponíveis de acordo com a época, como por exemplo: o correio, a rádio, a televisão, o vídeo, o telefone etc. (todas estas ferramentas continuam a ser pontualmente utilizadas mas a internet engloba em si todas estas funcionalidades).
Coexistem, actualmente, três tipos de ensino: o presencial, o semi-presencial e a educação à distância . O autor define-os da seguinte forma:
Educação presencial: Professores e alunos encontram-se no mesmo espaço - a sala de aula, que é o ensino convencional.
Educação semi-presencial ou Blended Learning: Acontece em parte, na sala de Aulas e em parte, de forma virtual, fazendo com que o espaço físico passe para temporal e a comunicação seja feita através das novas tecnologias de comunicação.
Educação a distância: Pode ou não ter momentos presenciais, mas acontece sobretudo com professores e alunos separados no tempo e/ ou no espaço, ligados através das tecnologias de comunicação.
O conceito de educação contínua ou continuada é mencionado pelo autor como da máxima importância, trazendo a ideia de que o processo de formação é constante e para ser feita ao longo da vida, juntando a prática, teoria e a reflexão da própria experiência, “ampliando-a com novas informações e relações”.
O ensino a distância abrange todo o ensino médio, superior e pós graduações, sendo mais adequado para adultos com experiência consolidada de aprendizagem individual e de pesquisa.
As tecnologias interactivas permitem a interacção e a interlocução com todos os que estão envolvidos, pois através das novas tecnologias de comunicação virtual que permite que a distância física seja diminuída, até porque o espaço e o tempo da sala de aula é virtual e mais flexível, permitindo ao professor a continuação do seu trabalho mas com um tipo de ensino que permite incentivar o aluno com a criação de salas de discussão, debates, pesquisas, tudo isto sem ter de seguir um horário rígido e com o auxílio de novas ferramentas tecnológicas.
O papel do professor passa a ser mais um supervisor animador, incentivador que leva os alunos para uma “ aventura do conhecimento ”.
Alguns dos pontos positivos apresentados por Moran para a Educação a Distância:
- Edifícios menores;
- Menos salas de aulas;
- Mais salas Ambiente;
- Salas de Pesquisa;
- Salas de Encontro;
- Casa e o Escritório – espaços que passam a ser considerados locais de estudo privilegiados.
Durante este período de transição na EaD poderá existir alguma interacção on-line e da comunicação off-line. Os média (Jornais, Televisão e Rádio) também ajudam neste caminho de obter uma comunicação mais interactiva.
A rápida evolução das ferramentas, iram permitir ao aluno assistir a aulas em tempo real, possibilitando-o ouvir e permitindo o mesmo questionar o professor, levando a querer que “ As possibilidades educacionais que se abrem são fantásticas ”.
Os pontos negativos apresentados:
O pensamento de que a “ Educação a distância é um “fast-food” em que o aluno se serve de algo pronto ” é cada vez mais um pensamento errado, pois cada vez mais os cursos caminham para aulas virtuais, com tutores, pesquisas individuais onde permite compartilhar ideias, experiências e vivências. Formações adaptáveis e dinâmicas e não estandardizadas.
Esta mudança não é uniforme nem fácil, pois existe desigualdade económica de acesso, maturidade, motivação de pessoas, falta de acesso a recursos tecnológicos e informação. Mas perante estas adversidades o professor terá de se adaptar para que seja permitida esta evolução que cada vez mais parece um caminho natural de se seguir.
Comentários pessoais:
Cada vez mais o conceito de educação contínua e ao longo da vida se torna incontornável e fundamental no desenvolvimento profissional e pessoal dos indivíduos. Sendo que, em qualquer tipo de ensino aprendizagem se pode verificar de acordo com os objectivos e variáveis pessoais e sociais.
O tipo de aprendizagem deve ser adequado à etapa do desenvolvimento da pessoa. Na infância e adolescência é fundamental que o ensino seja presencial (salvo situações pontuais como doença). Já na adultez e se o individuo tiver capacidade de disciplina, organização e métodos de estudo consolidados adequa-se ao ensino a distância.
Contudo não basta utilizar as metodologias do ensino tradicional e presencial transpondo-o para o ensino a distância. Há que adequar os procedimentos às necessidades dos educandos utilizando para isso as ferramentas e metodologias necessárias.
“ Da comunicação off-line estamos evoluindo para um mix de comunicação off e on-line ”
Assim como o ensino presencial beneficia das novas tecnologias, como videoconferências (entre outras) permitindo que pessoas com pouca disponibilidade e que estão longe partilhem a sua sabedoria, também o ensino a distância deve retirar do ensino presencial o que for útil no processo de aprendizagem.
“ Teremos aulas à distância com possibilidade de interacção on-line (ao vivo) e aulas presenciais com interacção à distância ”
Definição de blended-learning (ensino misto) - É essencialmente caracterizado por duas partes: uma presencial e outra não presencial, esta combinação de ambientes virtuais e aulas presencias, sempre com a tutória do formador ou e-tutor que faz a gestão do método em questão.
Ensino Presencial ou Virtual Presencial
Ensino Colaborativo online
Estudo Individual

Quanto à abordagem colaborativa encontramo-la na 3ª parte da AF1 em que é pedido aos alunos que elaborem um trabalho de grupo, onde são executadas algumas tarefas que no fim terão de ter o consenso de todos os elementos. Todo este trabalho permite que haja a participação de todos os intervenientes, incluindo o professor que vai conhecendo as dificuldades e as potencialidades dos alunos.


Síntese
Abordagem instrucionista – é caracterizada pela utilização do computador como ferramenta pedagógica, na medida em que o professor/tutor disponibiliza através de um software a informação que pretende que seja adquirida pelos seus alunos.
Abordagem colaborativa – Como o próprio nome indica pressupõe colaboração e cooperação entre aluno/aluno e aluno/professor. No ensino online apesar da distância física as dinâmicas colaborativas acabam por desenvolver o espírito de colaboração e incrementar também ritmos de trabalho de grupo ou individuais, respeitando sempre o ritmo de cada um tendo uma especial atenção à partilha da aprendizagem como um todo.

Labels